English Español 中文

Aplicação do Sisal

A utilização do sisal começou a várias décadas. Entretanto, ainda não foram levantadas todas as suas aplicações e algumas das que se conhecem não ultrapassaram a fase de laboratório, sobretudo no que diz respeito aos subprodutos, cuja exploração econômica ainda é difícil de ser feita conforme os métodos tecnológicos vigentes.

O uso principal do sisal limitou-se, ao longo de toda a sua história, à fibra, cuja transformação em produtos acabados pode ser dividida basicamente em três etapas distintas, a saber:

Cordoaria

O setor de cordoaria é o campo de maior aplicação do sisal e a expressão cordoaria aqui significa, em sentido lato, toda a gama de produtos de sisal, incluindo fios, barbantes,cordéis para embalagens e todos os tipos de corda utilizados na agricultura, na pecuária, na indústria e no comércio. Para a fabricação dessa gama de produtos, utiliza-se, principalmente, o sisal tipo 3.

Papel

Sendo a fibra de sisal muito rica em celulose, é muito utilizada para a fabricação de pasta de celulose de qualidade superior, para a fabricação de papeis de alta qualidade. Para isso, utiliza-se principalmente a bucha e o refugo, já que o tamanho da fibra não tem importância no processo industrial.

Construção civil

As “buchas” de sisal também são utilizadas nesse setor para polimento de revestimentos cerâmicos e, também, na composição de “massas” para fabricação de forros e gesso. No campo da construção civil, o sisal ainda poderá ter outras aplicações, como na construção de casas residenciais, visando oferecer maior resistência aos compósitos, bem como na substituição do amianto na composição de telhas para cobertura de imóveis industriais e residenciais, cujos estudos vêm sendo realizados pela Universidade Federal da Paraíba, Campus II, em Campina Grande. Isso porque, a adição de fibras de sisal a matrizes à base de cimento (pasta, argamassa ou concreto) aumenta significativamente a sua tenacidade e comportamento pós-fissuração. Além da bucha, tem-se utilizado muito o sisal tipo 1, quando se deseja uma melhor qualidade nos resultados.

Tapetes

Artefato que vem tendo demanda significativa, principalmente após a onda ecológica que tem se desenvolvido na Europa e nos Estados Unidos, os tapetes de sisal deixaram de ser instalados apenas nos ambientes rústicos de antigamente e estão decorando escritórios de grandes e modernas empresas, pelo mundo afora. Para a fabricação de tapetes, são necessários fios muito finos (de 800 a 1.000m/kg) e de qualidade, cuja fabricação depende de fibras de comprimento longo (em torno de 1,10m) e de alto grau de limpeza. Apesar de ser um setor em crescimento, a quantidade de sisal utilizada na fabricação de tapetes ainda é pequena, quando em comparação com a quantidade que normalmente se utiliza na indústria de fios agrícolas (baler twine). A principal fibra utilizada para esse fim é o sisal tipo 1, por ser a fibra de melhor qualidade produzida no Brasil.

Sacaria

Alguns países utilizam o sisal para a fabricação de sacos. Para esse fim, normalmente se utiliza o sisal tipo 3.

Industria automobilista

Fibras vegetais já foram largamente empregadas no passado na indústria automobilística, como no caso de compósitos de látex de borracha natural, reforçados com fibra de coco para uso em estofamentos de automóveis.

A partir da década de 60, no entanto, começaram a ser gradativamente substituídas pelas espumas de poliuretano. Essa substituição deveu-se puramente à maior produtividade e ao menor custo de espuma, sem levar em conta o seu menor desempenho e questões ambientais e sociais.

A fibra vegetal apresenta maior perspirabilidade (capacidade de absorver umidade da transpiração humana), o que proporciona maior conforto essencial aos motoristas profissionais de táxi, ônibus e caminhões, que passam longos períodos sentados. A geração de empregos rural e industrial é outro aspecto importante no uso de fibras vegetais. Um assento de carro com fibra vegetal utiliza pelo menos quatro vezes mais mão-de-obra do que o feito de espuma. Ainda hoje, veículos de primeira linha de empresas no exterior, como a Mercedes Benz, da Alemanha, utilizam estofamento com fibras vegetais. Outra grande vantagem do uso de fibras vegetais é sua não-toxidez. A espuma de poliuretano, à base de isocianato, libera, durante a sua combustão, o gás cianídrico, altamente tóxico.

Dessa forma, para o projeto de um material já se reconhece, hoje, a extrema importância de se considerar o desempenho dos produtos em todos os níveis e as implicações sócio-ambientais do seu uso.

É nesse contexto que a fibra de sisal vem ocupando um espaço cada vez maior nesse segmento industrial. Atualmente, as indústrias automotivas e de plástico estão recuperando o interesse por fibras vegetais, em razão das suas vantagens na substituição de fibras inorgânicas/minerais, como, por exemplo, a fibra de vidro.

Outro aspecto importante é o fato de os resíduos da descorticagem e/ou batimento da fibra, como a bucha, poderem ser também utilizados em compósitos com plástico. É importante esclarecer que, nessas aplicações, fibras curtas podem ser usadas (em dimensões que podem chegar a alguns milímetros).

Artesanatos

Fibra de sisal, fios, cordéis e cordas, utilizados na fabricação de vários tipos de artesanato, como bolsas, cadeiras de balanço, escovas, objetos de adorno e decoração em geral.

Estopas

A estopa de sisal pode ser usada ainda no segmento de embalagem, protegendo infinitos tipos de produtos dentro de caixas e pacotes de uma forma geral. Seu descarte, ao contrário dos plásticos, isopor ou outros materiais sintéticos usados, é totalmente inofensivo ao meio ambiente.

A COTESI fornece a estopa de sisal em pacotes de 100 e 250 g para o varejo e em embalagens especiais para a indústria.

Mantas

A manta de sisal é um produto de múltipla aplicabilidade. Sua consistência é firme, mas ao mesmo tempo de extrema maciez, permitindo boa circulação do ar pelo seu interior. É bastante resistente, tem uma textura forte e propriedades abrasivas. É um produto filtrante natural, higroscópico, térmico e acústico.

Seu uso principal é na fabricação de colchões, estofados e acolchoados de uma forma geral. Na indústria automobilística, considerando as políticas voltadas para a conservação do meio ambiente, a sua aplicação na confecção de estofados e compósitos já é uma realidade nas principais marcas e cada vez mais uma tendência do mercado. Grandes oportunidades se abrem para novas aplicações, especialmente por ser produto 100% biodegradável por excelência.

Setores como o de embalagens, filtros especiais, limpeza de pastilhas cerâmicas na construção civil, forrações termo-acústicas e de pisos especiais, barreiras contra derramamentos de produtos diversos em desastres ecológicos, por exemplo, são potenciais consumidores do produto.

As mantas de Sisal COTESI podem ser fornecidas:

  • em rolos de larguras de 0,40 a 2,10 m e em comprimentos indefinidos;
  • em placas cortadas sob medida do cliente;
  • e nas espessuras de 800 a 1500 g/m2

Fibras

A fibra de sisal cortada pode ser utilizada para a fabricação de compósitos, isto é, materiais moldados que necessitam de resistência mecânica, como é o caso do gesso, fibra-cimento, resinas termoplásticas e outros produtos. A COTESI está trabalhando em conjunto com universidades e centros tecnológicos para desenvolvimento de projetos para aplicação da fibra cortada do sisal.

Mechas

É o estado da fibra de sisal penteada e apresentada de forma contínua, com várias espessuras e graus de penteamento. Suas aplicações ainda estão em fase de pesquisa, mas na indústria do gesso é uma grande aliada na instalação de placas para rebaixamento de tetos.